segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Cada um por si

Leandro Colon - Folha de S.Paulo
2018 entra na terceira semana com peças relevantes do tabuleiro da eleição presidencial movimentando-se circunstancialmente, cada qual no seu contexto.

O ex-presidente Lula vai para a reta final de preparação do julgamento que deve nortear o destino político do petista e o do cenário eleitoral.
O que será de Lula e do PT na disputa em outubro dependerá decerto do placar a ser proferido pelos desembargadores do TRF-4 no dia 24.
No outro extremo, Jair Bolsonaro cambaleia após a recente série de reportagens da Folha que revelou seu patrimônio, o uso de auxílio-moradia mesmo com imóvel próprio em Brasília, e o emprego, com verba da Câmara, de uma servidora fantasma que vende açaí em Angra dos Reis.
Ao ser inquirido pelos repórteres Camila Mattoso e Italo Nogueira, Bolsonaro reforçou, sem explicar o que parece ser inexplicável, a imagem de um político descontrolado, sem noção e grosseiro quando confrontado.
A campanha nem começou de fato e o deputado sabe que carregará no percurso até as urnas o carimbo de quem multiplicou o patrimônio às custas da política e adotou práticas reprováveis com o dinheiro público.
Se Lula e Bolsonaro dão a largada de 2018 preocupados em limpar a própria barra nos campos da honestidade e da moral, possíveis nomes de "centro-direita", que poderiam aproveitar o desgaste da dupla acima para arrebanhar votos, optam pela estratégia do "cada um por si".
Henrique Meirelles começa a se dar conta de que somente ele acredita na hipótese de sua candidatura. O seu partido, o PSD, finge acreditar.
O DEM força um ambiente favorável a Rodrigo Maia, que tem peso político, porém carece de potencial de voto, algo básico para estar no páreo.
Alckmin tem a preferência velada de Michel Temer para ser o candidato de centro e do governo. Seu problema - e maior desafio no curto prazo - é decolar e convencer caciques do próprio PSDB - entre eles FHC - de que pode se viabilizar para tanto. 

Juíza do DF confirma que triplex pertence a OAS

Magistrada determinou a penhora dos bens da OAS incluindo o triplex que a Lava Jato diz que pertence ao ex-presidente Lula.
A juíza Luciana Correa Tôrres de Oliveira, da 2ª Vara de Execução e Títulos no Distrito Federal, determinou a penhora dos bens da OAS; o detalhe é que um dos ativos penhorados é justamente o triplex que a Lava Jato diz que pertence ao ex-presidente Lula.

Segundo informações do blog do jornalista Mino Pedrosa, uma decisão da juíza Luciana Corrêa Tôrres de Oliveira, da 2ª Vara de Execução e Títulos no Distrito Federal, se contrapõe à investigação da Lava Jato sobre o triplex do Guarujá. O processo atende uma empresa que solicita o pagamento de dívidas em desfavor da OAS Empreendimentos.
O Centro Empresarial que estava sendo construído no Distrito Federal tinha contrato em Sociedade de Propósito Específico (SPE). A empresa credora impetrou uma ação de cobrança no valor de R$ 7,2 milhões corrigidos. A juíza acatou e determinou o bloqueio nas contas da OAS Empreendimentos, encontrando apenas R$ 10 mil reais. A empresa credora fez busca nos cartórios em todo Brasil e achou em um mesmo CNPJ quatro imóveis no Guarujá em nome da OAS Empreendimentos
Para a surpresa dos empresários brasilienses, um dos imóveis trata-se do apartamento polêmico triplex no Guarujá, atribuído ao ex-presidente Lula. Em Brasília, a juíza entende que, o apartamento no Edifício Solaris, na Praia das Astúrias, no Guarujá, endereço do triplex que levou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à condenação em primeira instância, registrado em cartório em nome da empreiteira OAS Empreendimentos, cabe penhora, por se tratar de dívidas contraídas pela OAS que, é de fato e de direito, proprietária do imóvel.
Com essa decisão, a defesa do ex-presidente Lula, pode pedir o adiamento do julgamento marcado para o dia 24 de janeiro em Porto Alegre.  *(Com informações do blog do jornalista Mino Pedrosa)

domingo, 14 de janeiro de 2018

O que preocupa Bolsonaro

Bernardo Mello Franco - Folha de S.Paulo
"Como eu estava solteiro naquela época, esse dinheiro de auxílio-moradia eu usava pra comer gente, tá satisfeita agora ou não? Você tá satisfeita agora?".

As palavras são de Jair Bolsonaro, pré-candidato à Presidência. Ele respondia a uma repórter da Folha que o questionou, de forma educada, sobre o uso de verbas da Câmara.
Não foi a única grosseria da entrevista, concedida na quinta-feira. Em outros momentos, o deputado usou palavrões após ouvir perguntas sobre a sua evolução patrimonial.
"Porra, você está enchendo o saco, porra", disse. "Vocês fizeram uma bomba de merda", acrescentou. "Sai fora que vocês não vão ter resposta nenhuma", concluiu.
Nos últimos dias, os repórteres Camila Mattoso, Italo Nogueira e Ranier Bragon mostraram como a família Bolsonaro multiplicou os bens na política -o capitão tem dois filhos deputados e um vereador.
O jornal também revelou que o chefe do clã nunca abriu mão do auxílio-moradia, apesar de ter apartamento próprio em Brasília. Ele ainda deu um cargo de assessora à mulher de seu caseiro em Angra dos Reis.
As reportagens mostraram que Bolsonaro segue o figurino padrão no Congresso: enriqueceu na política e aprendeu os truques para ampliar as vantagens de parlamentar. Isso explica o descontrole do deputado ao se ver sob escrutínio.
Embora esteja no sétimo mandato, o capitão sustenta seu marketing na ideia de que é diferente dos outros políticos. Ele se apresenta como um campeão da ética, imune aos escândalos que atingem os colegas. "Sou o diferente, sou o intruso do poder", repetiu, em vídeo divulgado na quarta-feira.
Esse discurso tem atraído eleitores que podem não concordar com sua pregação radical, mas veem nele uma alternativa à sujeira dos grandes partidos. Se ficar claro que a propaganda era enganosa, a imagem do "Bolsomito" corre o risco de derreter antes do previsto.

Vereador Alan de Moa de Angelim faleceu agora a pouco

A cidade de Angelim foi surpreendida agora a pouco com a noticia da morte do Vereador do (PSD) Alan de Moa da Câmara de Vereadores local.
Alan de Moa era vereador em segundo mandato, era casado e deixa um filho e a esposa gravida do segundo.
Segundo noticias ele estava na vizinha cidade de Calçados e sofreu um Ataque cardíaco foi socorrido mais faleceu ao dar entrada no hospital em Caruaru.
Alan fazia parte da bancada de oposição ao prefeito Douglas Duarte.
Alan foi eleito com 306 votos e foi o 8º mais votado na eleição passada.

Terremoto deixa morte e feridos no Peru

Tremor teve magnitude de 7,1 e atingiu a região de Arequipa. O Terremoto causou 1 morte e deixou mais de 60 feridos até o momento.
Do Portal G1


Um terremoto de magnitute 7,1 atingiu o Peru neste domingo às 4h18 (horário local, 7h18 de Brasília), na região de Arequipa. Pelo menos uma pessoa morreu e outras 65 ficaram feridas.
Autoridades voltaram atrás em declarações de que uma segunda pessoa teria morrido e outras 17 estariam desaparecidas em uma mina, em um sinal de que o número de vítimas do tremor pode não ser tão drástico quanto se temia.
O epicentro do tremor foi localizado a 124 quilômetros da cidade de Puquio, no sul do país, e a 36,3 quilômetros de profundidade, segundo informou o Instituto Geológico dos Estados Unidos (USGS).
Segundo a agência Efe, o chefe do Instituto Nacional de Defesa Civil (Indeci), Jorge Chávez, declarou à emissora "RPP Noticias" que as mortes aconteceram nas cidades de Yauca e Bella Unión, enquanto os feridos foram registrados na província de Caravelí e em Nazca, da região vizinha de Ica.
Leia a íntegra da matéria aqui: Terremoto deixa 1 morto e mais de 60 feridos no Peru

PMDB pode apoiar Pimentel; pesquisas animam Doria

PMDB em Minas deve apoiar reeleição de Fernando Pimentel. Já em São Paulo, Pesquisas voltam a animar João Doria.
Veja - Coluna Radar

Por Mauríciio Lima

Por absoluta falta de opções, o MDB de Minas se encaminha para apoiar a reeleição de Fernando Pimentel ao governo.
 
Esse movimento tem implicações no tabuleiro nacional, reforçando Lula ou seu poste num estado decisivo.

Enquanto isso, em São Paulo, João Doria tem em mãos duas pesquisas que o deixaram animado. A primeira é um tracking de sua administração.
 
Depois das últimas quedas, sua aprovação voltou a subir. A segunda diz que o paulistano não ficará chateado se ele deixar a prefeitura para tentar o governo do estado.
 
Na visão do eleitor da capital, “é tudo São Paulo” mesmo

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Um guerrilheiro no PSDB

Bernardo Mello Franco – Folha de S.Paulo
Não é fácil a vida do presidenciável Geraldo Alckmin. Ele começou o ano eleitoral em quarto lugar nas pesquisas, com apenas 7% das intenções de voto. Não conseguiu fechar alianças e ainda enfrenta um adversário no PSDB: o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio.

Fundador do partido, ele se recusa a abrir mão da pré-candidatura ao Planalto. Acusa o governador paulista de boicotá-lo e cobra a realização de prévias. Aos 72 anos, o ex-senador diz ser o único capaz de evitar uma nova derrota dos tucanos.
"Geraldo é um candidato sem pegada, sem posições definidas. No ritmo em que ele vai, o PSDB ficará fora do segundo turno", prevê Virgílio. "Olho para a direção do partido e vejo todo mundo feliz, a caminho da quinta derrota consecutiva. Parece que eles jogam para perder", critica.
O prefeito diz que Alckmin já teve sua chance em 2006, quando foi derrotado pelo ex-presidente Lula. "Ele teve menos votos no segundo turno do que no primeiro", lembra. "Para provar que não ia privatizar os Correios, ainda se fantasiou de carteiro. Aquela cena me deixou agoniado."
Para se diferenciar do governador, Virgílio diz ter opiniões mais firmes em temas que dividem o eleitorado. Promete privatizar quase todas as estatais e se diz liberal "na economia e nos costumes". Defende a liberação do aborto, a legalização da maconha e o casamento homoafetivo.
"Não dá para um candidato ficar repetindo evasivas e generalidades", provoca, em outra indireta contra o estilo "picolé de chuchu" do rival.
Em tom de cobrança, o prefeito diz que o PSDB já perdeu muito tempo. Ele afirma que os adversários estão fora do partido. "Já podíamos ter desmontado o Bolsonaro, que é uma figura grotesca, e botado o Lula no gueto em que ele precisa ficar."
Fiel ao estilo guerrilheiro, Virgílio também desdenha do aceno do presidente Michel Temer a Alckmin: "Eu não me sentiria à vontade com o apoio dele. Acho que não devemos nos aliar ao PMDB, com ou sem P".

Bolsonaro: servidora fantasma vende açaí em Angra

Mulheres fecham às pressas loja de açaí da secretária parlamentar de Bolsonaro, na vila de Mambucaba
Folha de S.Paulo – Camila Mattoso, Italo Nogueira e Ranier Bragon
presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ) usa verba da Câmara dos Deputados para empregar uma vizinha dele em um distrito a 50 km do centro de Angra Dos Reis (RJ).  A servidora trabalha em um comércio de açaí na mesma rua onde fica a casa de veraneio do deputado, na pequena Vila Histórica de Mambucaba.
Segundo moradores da região, Wal, como é conhecida, também presta serviços particulares na casa de Bolsonaro, mas tem como principal atividade um comércio, chamado "Wal Açaí".
Walderice Santos da Conceição, 49, figura desde 2003 como uma dos 14 funcionários do gabinete parlamentar de Bolsonaro, em Brasília, recebendo atualmente salário bruto de R$ 1.351,46.
Segundo moradores da região, o marido dela, Edenilson, presta serviços de caseiro para Bolsonaro.
O deputado federal mora na Barra Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, e tem desde o final dos anos 90 uma casa de veraneio em Mambucaba.
Folha falou com moradores da vila, que tem cerca de 1.200 habitantes, segundo a Prefeitura de Angra.
Foram colhidos quatro relatos gravados de moradores confirmando que o marido de Walderice é o caseiro do imóvel de veraneio de Bolsonaro.


As portas do estabelecimento "Wal Açaí", na mesma rua, foram fechadas às pressas nesta quinta-feira (11) assim que se espalhou a informação sobre a presença de repórteres na região.

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Risco de contrair conjuntivite aumenta durante o verão, alerta oftalmologista

Considerada como a estação mais aguardada do ano, no verão é comum encontrar praias lotadas e festas que reúnem grande número de pessoas. No entanto, é nesta época que costuma acontecer epidemias de conjuntivite. Por conta da temperatura mais elevada especialistas alertam para a necessidade de cuidados especiais com a visão. Usar bonés, óculos de sol de boa qualidade, tomar muito líquido e ingerir alimentos saudáveis que contenham vitaminas A e C, são algumas das recomendações.

De acordo com João Vilaça, oftalmologista do HVisão e Membro do Conselho e da Sociedade Pernambucana de Oftalmologia, a conjuntivite bacteriana é caracterizada por uma secreção espessa, amarelada e com consistência cremosa, que deixa a pessoa com os olhos inchados e, em alguns casos, pode parecer que se formou uma bola de pus embaixo do olho.

“Já a conjuntivite viral se espalha com mais facilidade em dias de calor intenso. Ela é contagiosa e pode ser contraída em banhos de mar e piscina sem cloro, além de ambientes fechados com grande concentração de pessoas, pode também causar inflamações”, disse o oftalmologista, e acrescentou que o tratamento pode ser iniciado com aplicação de compressas de água filtrada nos olhos.

Ainda de acordo com o médico, piscinas com excesso de cloro e praias com areias sujas e mar impróprio para banho reúnem fungos e vírus que colocam em risco a saúde ocular causando diversos tipos de doenças. 

Dentre as inflamações na córnea existe a ceratite actínica. “Causada por uma inflamação na córnea que ocorre devido a exposição por mais de seis horas ao sol, sem qualquer proteção, a ceratite actínica tem como sintomas a vermelhidão, dor na região ocular e aquela sensação de areia nos olhos”, disse Vilaça e ressaltou que logo que os sintomas surgirem é necessário procurar um oftalmologista para que seja indicado o tipo de tratamento adequado.

Governos de Pernambuco e Paraíba assinam convênio para melhorias no abastecimento de água das regiões de fronteira


Dando seguimento às ações para reforçar o abastecimento hídrico, o governador Paulo Câmara vai, nesta sexta-feira (12.01), ao município de Barra de São Miguel, na Paraíba. Na ocasião, será assinado um convênio entre os governos dos dois Estados objetivando uma cooperação técnica e administrativa entre as partes para propor ações que possam beneficiar cidades da região de fronteira no serviço de abastecimento de água.

Na ocasião, também será autorizada a criação de um grupo de trabalho entre a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) e a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa). Em pauta, estarão o estudo de sistemas integrados que possibilitem a implantação de um melhor fornecimento de água para a população das regiões beneficiadas.

Na sequência, o governador Paulo Câmara assina a autorização para licitação da Adutora do Alto Capibaribe, no município de Santa Cruz do Capibaribe. A obra, que tem um prazo de conclusão de 15 meses, beneficiará cerca de 230 mil habitantes de oito cidades, são elas: Santa Cruz do Capibaribe, Toritama, Jataúba, Taquaritinga do Norte, Vertentes, Frei Miguelino, Santa Maria do Cambucá e Vertente do Lério. Na Paraíba, o município de Barra de São Miguel também será beneficiado com a implantação da adutora. No total, um aporte de R$ 82 milhões será realizado para o projeto. 

Durante a agenda, o governador Paulo Câmara também dará por inaugurada a quadra coberta da Escola de Referência Luiz Alves da Silva. O equipamento recebeu um investimento público na ordem de R$ 548 mil e beneficiará 665 estudantes matriculados na unidade de ensino.

Paulo Câmara sanciona lei que beneficia produtores artesanais de queijo manteiga, manteiga de garrafa e doce de leite

Após ter sancionado, no último dia 28 de dezembro/17, a Lei 16.276/2017 que formalizava e aperfeiçoava o sistema fiscal e sanitário dos produtores de queijo artesanal, o governador Paulo Câmara voltou a realizar mais uma importante ação para o setor nesta quinta-feira (11). O chefe do Executivo assinou, no Palácio do Campo das Princesas, a alteração à Lei Estadual 13.376/2017, que inclui o queijo manteiga, a manteiga de garrafa e o doce de leite no mesmo regime.
O decreto, que será publicado nesta sexta-feira (12.01) no Diário Oficial do Estado, fortalece o setor, garantindo mais qualidade aos produtos, uma vez que a produção, o transporte e a embalagem dos itens devem observar as normas estabelecidas na Lei, sem prejuízo das normas regulamentais estabelecidas pelos órgãos competentes. Com isso, haverá melhora nas vendas e, consequentemente, movimentará a economia de toda a região.
“A gente quer facilitar a situação dos produtores artesanais de Pernambuco, formalizando, normatizando e englobando todos esses produtos dentro da questão tributária. Assim, todo mundo ganha: o trabalho dos produtores acontece de maneira muito mais prática e com tranquilidade e nós temos um produto de qualidade”, explica o governador Paulo Câmara.
A iniciativa é uma antiga reivindicação dos produtores de queijos artesanais que viviam fragilizados diante das fiscalizações. O projeto de Lei que deu origem a essa norma é do Deputado Claudiano Martins Filho.

Justiça derruba liminar que impedia dissolução do PMDB-PE

Raul Henry e Fernando Bezerra Coelho
Raul Henry e Fernando Bezerra Coelho -foto folha de PE
Do Blog da Folha-
O jurídico do PMDB Nacional conseguiu derrubar a liminar na Justiça de Pernambuco que impedia a dissolução do diretório da sigla no Estado. A decisão foi dada pelo juiz de direito José Alberto de Barros Freitas Filho e comemorada pelo senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB). A sentença representa uma vitória para o grupo do parlamentar sertanejo na disputa jurídica contra o deputado federal Jarbas Vasconcelos (PMDB) e o vice-governdor Raul Henry (PMDB) pelo comando da agremiação no Estado.

Visando tomar o comando do partido para si, Bezerra Coelho se filiou ao PMDB, a convite do senador Romero Jucá (PMDB), com o intuito de levar a sigla para a oposição do governador Paulo Câmara (PSB). Apressada em intervir, a executiva nacional do PMDB passou a apreciar um pedido de dissolução feito em setembro, por um peemedebista de Petrolina. Em reação, Henry resolveu judicializar o processo para "ganhar tempo" na disputa interna. 

"Está se cumprindo a decisão da executiva nacional do partido, como sempre foi esperado", disse o senador Fernando Bezerra Coelho. 

Como resultado, o grupo jarbista conseguiu uma vitória na Justiça suspendendo o processo de dissolução. Todavia, uma reviravolta aconteceu na Convenção Nacional do PMDB, em 17 de dezembro, quando uma adequação no Estatuto da legenda possibilitou a reversão do entendimento dado pela Justiça de Pernambuco em favor de Raul e Jarbas. Com a mudança no estatuto, a ideia é que a executiva nacional tivesse a legitimidade para proceder a dissolução, competência que só foi reconhecida pelo juiz José Alberto de Barros Freitas Filho na decisão de hoje.

O magistrado revogou parcialmente a tutela de urgência de natureza cautelar, permitindo que o processo de dissolução seja executado pela Comissão Executiva Nacional, que é favorável a Bezerra Coelho. Contudo, o juiz veta na análise do pedido o mérito de "desrespeito a qualquer diretriz ou deliberação regularmente estabelecida pelos órgãos competentes". Logo, fica de pé apenas a justificativa de desempenho eleitoral.

"Devo ressaltar que não se trata de retroagir alteração estatutária para atingir um caso concreto que já se encontrava em tramitação, mas, sim, reconhecer a existência de erro material involuntário que não retratou a intenção da Convenção Nacional do Partido ao promover a revogação de um inciso do art. 73", aponta a decisão.

Agência de risco rebaixa nota do Brasil


A agência de classificação de risco S&P Global rebaixou o rating do Brasil de BB para BB-. A perspectiva da nota foi modificada de negativa para estável.
O rebaixamento pela S&P era esperado nas últimas semanas, à medida que falharam as negociações no Congresso para aprovação da reforma da Previdência no final do ano passado.(Do blog de magno martins)

Gravações ligam Loures, empresas portuárias e Temer

Janio de Freitas  – Folha de S.Paulo
Há 54 motivos para considerar que se passam impropriedades camufladas no inquérito sobre o decreto de Michel Temer que beneficiou sobretudo a Rodrimar, entre empresas de serviços portuários, em razão das quais era "o deputado do porto de Santos". Assinado em maio de 2017, o decretoaumentou de 25 para 35 anos, prorrogáveis até 70 anos, a concessão de áreas portuárias para exploração particular. Um maná. Sem qualquer causa convincente para o privilégio.

Os motivos da série de estranhezas começam pela substituição do diretor da Polícia Federal, incumbida de investigar as suspeitas e denúncias surgidas com o decreto. Nem tanto como a troca se deu, no final do ano passado, repentina e sem a participação do ministro da Justiça. Mas o novo diretor Fernando Segovia mostrou logo um interesse particular pelo inquérito, com providências quase imediatas.
Uma delas, a também repentina substituição do delegado responsável pelo inquérito. Sem razão publicamente conhecida e sem qualquer explicação ao público. Nomeado por Temer, com boa dose de pesar dentro da PF, e por ele festejado na posse, Segovia não faz crer que desejasse um delegado e um inquérito mais eficazes, contra a conveniência do seu patrono.
O terceiro motivo é a presença, nas tratativas para o decreto, de Rodrigo Rocha Loures. Sim, aquele assessor de Temer filmado pela PF ao receber uma mala com R$ 500 mil. Gravações telefônicas ligam Loures, empresas portuárias, o teor do decreto e a Presidência. Ou era muito para a competência do delegado anterior do inquérito, ou era demais para o que, em suas mãos, representava riscos a Temer.
Parênteses sugeridos pela menção a Loures: dos R$ 500 mil que proviriam de Joesley Batista, o "assessor de total confiança" de Temer tratou de tirar da mala a sua parte, de R$ 35 mil. Correspondente à comissão ou remuneração de 7% por serviço prestado. Logo, os restantes R$ 465 mil são outra parte com outro dono. Quem é? Fácil presumir. Mas não consta que tenha sido questionado até agora, passados nove meses da estreia cinematográfica de Loures.
Agora, de uma só vez, 50 motivos -sob as formas de 50 perguntas feitas a Temer pela PF no começo do mês. Relator do caso no Supremo, o ministro Luís Roberto Barroso deu 15 dias para as respostas, até o próximo 19. Mas se desse um só, não seria exigente.
As perguntas, que não temem o ridículo, prestam-se a uma certeza: foram feitas para outro propósito que não o esclarecimento policial e judicial. Perguntar a Temer se recebeu pagamento pelo decreto dos portos, se havia o "por fora" de caixa dois em sua campanha, se seus amigos-assessores levaram dinheiro para obter decisões de governo -perguntas assim não querem saber, querem aparência. Mas dizem alguma coisa sobre a substituição de comando do inquérito policial e ainda do diretor da PF, no final de 2017.
Por fim, o 54º motivo para impropriedades insinuadas no andar e no desandar do inquérito: se levada a fundo, essa investigação pode desvendar coisas muito graves e influentes em diversos sentidos.

As lorotas do homem da mala

Bernardo Mello Franco - Folha de S.Paulo
Rodrigo Rocha Loures é um sujeito ousado. Com a Lava Jato a pleno vapor, ele escolheu uma pizzaria agitada para receber R$ 500 mil em espécie. Depois do flagrante, o ex-deputado ainda tentou enganar a Polícia Federal. Devolveu a mala com desfalque de R$ 35 mil.

No início da semana, Loures reapareceu no noticiário. Ele foi ouvido no inquérito do decreto dos portos. A investigação apura se o homem da mala e seu ex-chefe, Michel Temer, receberam propina para favorecer a Rodrimar, que opera em Santos.
Quando o ex-deputado foi preso, aliados do presidente entraram em pânico. Seu depoimento sugere que o risco de delação está controlado. Apontado como "longa manus" do presidente, ele revelou ter língua curta. Não contou nada que preocupasse os advogados de Temer.
Apesar da temporada na Papuda, Loures continua ousado. Ele disse à PF que nunca levou propina de empresas do setor portuário. Também negou que agisse como intermediário do presidente. Um executivo da Rodrimar já disse o contrário, acrescentando que as reuniões tinham "frequência praticamente semanal".
Quando o delegado perguntou por que o ministro dos Portos resolveu parabenizá-lo pelo decreto, Loures desconversou. No telefonema, o ministro festejou a edição do texto como "um golaço". Gol de quem?
Há mais trechos curiosos. O homem da mala disputou duas eleições para deputado, mas disse não lembrar o nome de seu tesoureiro de campanha. Questionado sobre um certo Edgar, que ele indicou para receber R$ 500 mil da JBS, ele respondeu que o intermediário não existe. "Foi uma pessoa inventada", alegou.

Em outra passagem, o ex-deputado disse não saber se Temer "possui qualquer vinculação com o setor portuário", em especial com empresas que operam em Santos. A influência do presidente no porto é conhecida e noticiada há mais de duas décadas.
No próximo depoimento, Loures podia contar aquela do papagaio. 

Bolsonaro: meio segundo na TV; “Militar bom, civil ruim”

Carlos Brickmann
O deputado Jair Bolsonaro, que até agora navegou tranquilo no mar sem candidatos das eleições presidenciais, está prestes a fazer uma descoberta: a de que não tem tempo de televisão, seja qual for o partido pelo qual decida sair.

Nos blocos de 30 segundos, terá direito a algo como meio segundo. E nos blocos de 12m30s, terá pouco mais de 12 segundos.
Dá para repetir, sincopadamente, por cinco vezes, a frase “Militar é bom, civil é ruim”.
Não dá tempo nem para responder à reportagem sobre o crescimento de seu patrimônio. O parco horário de que disporá não é tão mau assim.

Paulo entrega ações no Agreste



O governador Paulo Câmara irá, hoje, aos municípios de Alagoinha e Tacaimbó, ambos no Agreste Central de Pernambuco, para entregar obras no âmbito de recursos hídricos. Em Alagoinha, o chefe do Executivo estadual irá inaugurar o Lote 2 do Sistema Adutor do Agreste, que passa a ser alimentado com água da barragem Ipaneminha, restabelecendo o abastecimento de água da cidade e beneficiando cerca de 7 mil habitantes. Já no município de Tacaimbó, o governador irá inaugurar o Sistema de Esgotamento Sanitário. Com o equipamento, que recebeu um investimento de R$ 14,6 milhões, a população de Tacaimbó passará a contar com coleta e tratamento de esgotos sanitários, ação contribuidora para a preservação do Rio Ipojuca.

Temer quer que ambiente esfrie para posse de Cristiane

Blog da Andréia Sadi
 
O presidente Michel Temer decidiu, hoje, com seus principais auxiliares esperar o "ambiente esfriar" antes de fazer uma nova tentativa jurídica para garantir a posse de Cristiane Brasil no Ministério do Trabalho.
 
Hoje, Temer conversou com o subchefe de assuntos jurídicos da Casa Civil, Gustavo Rocha, sobre o assunto. Ele é um dos principais auxiliares do presidente no Planalto.
 
A ministra Grace Mendonça, da Advocacia-Geral da União (AGU), pediu uma conversa com o presidente agora pela manhã.
 
Grace, que estava de férias, conversou com a ministra Cármem Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), sobre a situação de Cristiane Brasil.
 
Temer receia derrota no STF se recorrer para garantir a posse da indicada para o ministério do Trabalho.
 
O presidente foi aconselhado a esperar até a próxima semana antes de decidir o que fazer

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Auxílio-saúde para promotores e procuradores

Uma lei complementar, publicada na página do Poder Legislativo no Diário Oficial de Pernambuco de ontem, autoriza o pagamento de auxílio-saúde a promotores e procuradores de Justiça do Ministério Público do Estado de Pernambuco (MPPE). De acordo com a norma nº 381, têm direito a receber R$ 500 por mês, a partir de março deste ano, os 425 membros ativos e os 156 inativos do órgão. A lei foi aprovada pelos deputados estaduais e promulgada na última segunda-feira. Caso todos os beneficiários recebam esse auxílio, os gastos mensais do MPPE serão de R$ 290.500. Os vencimentos iniciais de um promotor no estado são de R$ 26,1 mil por mês. Os procuradores têm como base salarial R$ 30,4 mil mensais.

Nota cínica da Globo diz que candidatos da casa estão proibidos de aparecer em sua programação


247 - Ao comentar o escancarado discurso de candidato de Luciano Huck no programa do Faustão no último domingo, a Rede Globo emitiu uma nota cínica em que diz que candidatos nas eleições estão proibidos de aparecer em programas da casa.

No texto, a Globo diz que quadros da emissora que eventualmente forem disputar a eleição são proibidos de aparecer em sua programação.

“A TV Globo reitera que não apoia qualquer candidato e que se limitará a realizar a cobertura jornalística das eleições de 2018, seguindo as regras de seus princípios editoriais”, diz o texto da empresa.

A argumentação não convenceu o universo político. Auxiliares de Michel Temer apostam, inclusive, que o impacto social da entrevista com Huck será apontado com clareza nas próximas pesquisas de intenção de voto para o Planalto.

Bolsonaro infla em R$ 800 mil economia que diz ter feito na Câmara


Folha de S.Paulo – Camila Mattoso e Ranier Bragon
O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) divulgou nas redes sociais nesta terça-feira (9) um número inflado da economia que teria feito aos cofres públicos nos últimos oito anos.

O presidenciável publicou uma tabela anual com o total de seus gastos do "cotão", a verba mensal que cada deputado tem para custeio de atividades relacionadas às suas atividades legislativas.
Com a inscrição "aguardando divulgação por parte da Folha de S.Paulo e demais órgãos de imprensa" e a sua foto de braços cruzados, Bolsonaro afirmou na publicação que teria devolvido aos cofres públicos R$ 1,3 milhão do "cotão", de 2010 até 2017.
Folha checou valores com base em dados oficiais e públicos da Câmara. Na verdade, segundo as informações da Casa, o deputado gastou muito mais do que publicou na tabela.
Pelos números da Câmara, o parlamentar consumiu nos oito anos R$ 2,5 milhões do "cotão", não R$ 1,7 milhão, como publicou nas redes sociais.
Com isso, ele deixou de utilizar, na verdade, R$ 486 mil, e não R$ 1,3 milhão como afirmava em sua publicação. A média de "economia" ficou em R$ 61 mil por ano.
Bolsonaro também não "devolveu" nem esse dinheiro, como indicou em sua publicação, já que a Câmara não "credita" valores para que os deputados gastem. Ela, na verdade, reembolsa eventuais custos, mediante apresentação de comprovantes.
As despesas referentes a 2017 podem aumentar porque o gabinete tem até este mês de janeiro para prestar contas de dezembro passado.
A cota de exercício da atividade parlamentar é oferecida pela Câmara para custeio de gastos como passagem aérea, alimentação, combustível, aluguel e material de escritório, entre outros, tudo relacionado à atividade parlamentar. No caso de parlamentares do Rio, o cotão é de R$ 35.759.
Em 2012, por exemplo, a tabela de Bolsonaro dizia que ele só gastou R$ 155 mil de R$ 321 mil a que teria direito naquele ano. Com isso, teria deixado de utilizar R$ 166 mil.
Na verdade, a economia foi bem menor porque Bolsonaro gastou em 2012 R$ 303 mil, cerca do dobro do que informou aos seus seguidores nas redes sociais.
No domingo, a Folha publicou que o presidenciável e seus três filhos parlamentares multiplicaram o patrimônio na política, reunindo atualmente 13 imóveis em áreas valorizadas do Rio e de Brasília, com preço de mercado de cerca de R$ 15 milhões.
Na segunda, a Folhamostrou que Jair e seu filho Eduardo, também deputado federal, receberam R$ 730 mil de auxílio-moradia da Câmara desde 1995 (Eduardo desde 2015) mesmo tendo apartamento próprio em Brasília.
O auxílio-moradia é pago a deputados que não ocupam apartamentos funcionais no DF. Como há mais deputados do que vagas em imóveis destinados a eles, a Câmara desembolsa para cada um desses, por mês, R$ 4.253.
NOTAS
Há duas formas de pagamento: 1) por meio de reembolso, para quem apresenta recibo de aluguel ou de gasto com hotel em Brasília, 2) ou em espécie, sem necessidade de apresentação de qualquer recibo, mas nesse caso com desconto de 27,5% relativo a Imposto de Renda.
Jair e Eduardo Bolsonaro utilizam essa segunda opção, o que rende mensalmente, para cada um, R$ 3.083. O salário de um deputado federal é de R$ 33,7 mil.
O auxílio-moradia pode ser recusado pelos congressistas. Em, novembro, 27 dos 513 deputados abriram mão do benefício.
OUTRO LADO
Procurada pela reportagem, a assessoria do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) informou que estava "apurando a falha". A reportagem perguntou se o parlamentar gostaria de se manifestar sobre as diferenças de valores em relação aos números da Câmara, mas não houve resposta. Na noite desta terça (9), a equipe do deputado divulgou uma versão reduzida da tabela, com correções.

Temer: R$ 10 bihões em obras por aprovação da reforma

Folha de S.Paulo – Julio Wiziack e Daniel Carvalho
O presidente Michel Temer reforçará a munição do ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB-MS), com até R$ 10 bilhões para a finalização de obras em redutos eleitorais de quem votar pela reforma da Previdência.

Assessores presidenciais dizem que essa será uma das "armas" para pressionar o Congresso na volta do recesso. O dinheiro sairá da própria economia gerada em 2018 com a eventual aprovação das novas regras da Previdência.
De acordo com o governo, cálculos da equipe econômica indicam que os gastos com benefícios que deixarão de ser feitos imediatamente após a reforma vão gerar uma sobra de R$ 10 bilhões no caixa se a mudança ocorrer ainda em fevereiro.
Ainda segundo o governo, quanto mais a reforma demorar a passar, menor será essa economia gerada. Em março, ela cai para cerca de R$ 7 bilhões. Em abril, R$ 4 bilhões.
Desde meados do ano passado, o governo vinha sinalizando com a liberação de recursos do Orçamento para obras em troca de votos pela a reforma. Mas as promessas sucumbiram diante da queda de receitas em 2017. Desta vez, a proposta é destinar os recursos da reforma às obras, um dinheiro "carimbado".
Terão prioridade os projetos em andamento que necessitam de pouco dinheiro para serem inaugurados ou entrarem na fase final.
Entre eles estão ajustes finais na duplicação da rodovia Régis Bittencourt, na serra do Cafezal, obra praticamente concluída; a segunda fase da linha de transmissão de Belo Monte; a BR-163, no Pará, os aeroportos de Vitória (ES) e Macapá (AP) e a ponte do rio Guaíba (RS).
O governo trata essas obras como "de campanha" porque podem gerar votos nos municípios afetados. Na avaliação da equipe política do governo, isso faz diferença no momento em que as verbas de campanha estão travadas pelo Orçamento nos dois fundos destinados às eleições.
No entanto, esse dinheiro só pode ser manobrado até junho. A legislação eleitoral proíbe que o governo destine recursos para obras três meses antes das eleições.
Outra pressão para que os parlamentares votem o quanto antes é a ameaça de um congelamento de despesas que pode chegar a R$ 50 bilhões sem a reforma.
Nesse cenário, as obras poderão ter novo corte.
Na equipe econômica há quem diga que os ganhos com a Previdência neste ano seriam de R$ 5 bilhões, independentemente do mês em que a reforma for aprovada.
E que Temer não poderá contar com os recursos vindos da economia com a aprovação da Previdência diante de frustrações de medidas como a venda da Eletrobras, que promete R$ 12,8 bilhões, mas enfrenta resistência no Congresso, e o reajuste dos servidores, que seria adiado para 2019 e pode ser mantido pelo STF.
CAMPANHA
Integrantes da equipe de Temer afirmam que ministros que deixarão o cargo para disputar o governo em seus Estados e outros candidatos a governadores de partidos da base aliada não querem ter de assumir o ônus de, ao vencerem as eleições, fazerem a reforma previdenciária em seu próprio Estado.
Eles preferem que a União aprove a reforma o quanto antes. O texto prevê que os Estados terão até seis meses para implementar suas próprias regras depois de aprovado pelo Congresso. Caso contrário, passa a valer no Estado a regra da União.


Inicialmente, o governo pretendia começar as conversas durante o recesso. Mas Marun desistiu da ideia de rodar o Brasil para reunir deputados no recesso para convencê-los a votar pela reforma.

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

UPE divulga listão do SSA 3 nesta quarta (10/01)


Os nomes dos primeiros lugares classificados no Sistema Seriado de Avaliação 3 (SSA) da Universidade de Pernambuco (UPE) serão anunciados na Reitoria da instituição nesta quarta-feira (10/01), a partir das 15h. O listão com os 1.730 candidatos classificados será disponibilizado às 15h30 no mesmo local e às 17h na internet e no sistema individual do candidato.

O resultado será divulgado na Reitoria, onde estará afixada a lista e na internet nos seguintes endereços eletrônicos: www.upe.br e www.processodeingresso.upe.pe.gov.br

São 1.730 vagas para o SSA 3 nos 55 cursos de graduação. As provas aconteceram nos dias 19 e 20 de novembro de 2017 e teve 10.523 inscritos.

O desempenho individual no sistema de inscrição e a lista de possíveis remanejáveis será disponibilizado até o dia 19/01/2018. O acesso aos espelhos das redações corrigidas poderá ser feito a partir de 16/03.

Já o desempenho individual no sistema de inscrição do SSA 1 e do 2 será divulgado até o dia 16/03/2018.

João Campos representa o Brasil no Reino Unido

Entre 14 e 24 de janeiro, o chefe de Gabinete do Governador Paulo Câmara, João Campos, será o único representante do Brasil no Programa de Líderes Internacionais do Governo Britânico (British Government’s International Leaders Programme – ILP) para o período 2017/2018. Ele se juntará a outros 13 participantes de todo o mundo na missão. A escolha dos selecionados tem a ver com o papel que eles poderão desempenhar em seus países nos próximos anos e no impacto que podem ter em assuntos de interesse global.

O ILP é o programa de visitas mais importante do Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido. A seleção dos participantes é feita pelo próprio Ministério. A Embaixada Britânica no Brasil enviou uma lista prévia com opções de nomes para a escolha do representante brasileiro. Há países que têm mais de 1 representante.

“Para mim, é uma honra participar do Programa de Líderes Internacionais, representando os interesses do Brasil e de Pernambuco. Quero estreitar a relação com o Reino Unido, que tem um vínculo histórico muito forte com o Brasil e Pernambuco, e discutir possíveis parcerias”, afirmou João Campos, explicando que um dos temas que pretende abordar é a educação, com destaque para Pernambuco, que ocupa o primeiro lugar no ranking do Ensino Médio do Ideb. Além da agenda de atividades sugerida pelo ministério, João fará uma agenda própria, incluindo uma palestra no King’s College - oportunidade para tratar da questão educacional e assuntos relacionados à economia.

No Reino Unido, as 13 lideranças escolhidas de 11 países terão acesso a representantes de toda a sociedade britânica, instituições políticas, educacionais, centros de pesquisa e tecnologia, setor cultural, entre outros. Serão visitados locais como o Palácio de Buckingham, o 10 Downning Street (a casa do primeiro ministro), o British Library (umas das maiores bibliotecas do mundo) e o Palácio de Westminster, onde fica o tradicional relógio Big Ben e as 2 casas parlamentares. Na ocasião das visitas, haverá reunião com representantes de todos os setores.

Ainda sobre a agenda personalizada, João Campos estará acompanhado do cônsul geral britânico no Recife, Graham Tidey, visitando instituições renomadas de ensino, como o King’s College, além da Thames Water, companhia internacional de águas e saneamento, e conhecendo projetos da área de tecnologia, entre outros.

SEM CUSTOS PARA O GOV. PE

*Não haverá nenhum tipo de despesa para o Governo de Pernambuco. A missão, incluindo gastos com voos e hospedagem, é toda custeada pelo Reino Unido.